Na companhia da Zica

9 Jun

Ontem foi um dia em que o capeta me acompanhou lado a lado. Acordei já com uma puta espinha na testa, muito confundível com o chifre de um unicórnio. Era dia de entrevista de emprego. Fui para a faculdade…reunião às 11h20 com nossos queridos professores do TCC. Atrasou…deu 11h40 e a minha entrevista era às 13h lá na P.Q.P. Furamos fila dos outros grupos e cheguei 12h04 no ponto de ônibus, que demora 40min para chegar à metade do meu destino. Calábria me incentiva a pegar um táxi…Ok. Lá vai eu e o Biro, o motorista, para Djádema. Ele me contou histórinhas de vida, me deu conselhos, uma belezura só. O infeliz resolveu parar a porra do táxi e ir mijar…eu, na minha imensurável inocência falei: tá bom!
Gente, o taxímetro continua mesmo com o carro desligado. E eu nem me toquei desse agravante! Enfim. Ele voltou e eu mandei ele parar ali no centro mesmo que eu ia a pé até o ponto de bus. O taxímetro marcava R$21. Dei 50, ele me voltou 20 e eu fiquei com cara de pastel. “Tem uma taxa…porque aqui é outra cidade”. Jéééésus Christ, odieeeeeei a carona então. Mas que roubo, bixo. Fui pegar o ônibus, que demorou, e ele simplesmente foi embora, Brasil. SEM EU. Dei sinal e o corno não parou. Me entregay. Liguei pro lugar da entrevista, falei que ia atrasar, então marcaram pras 15h. Eu de fato cheguei às 15h no lugar, e isso foi totalmente excelente. Já na volta…descobri que o ônibus que eu peguei pra ir não fazia o mesmo caminho para voltar, então resolvi, com toda minha perspicácia, andar pela Av. Santo Amaro até a Vicente Rao, como se isso fosse muito perto né. Andei até não conseguir mais, peguei um ônibus lotado, perdi o ponto certo pra descer, fui parar do outro lado da Santo Amaro, aaaaaaaand, cheguei na Vicente Rao após andar algumas milhas. “Moço, aqui passa ônibus pra São Bernardo, né?” “Vixi, passou um faz 10 minutos minha filha!”. Ótimo. Maravilha. Estava com sorte mesmo!
Não demorou muito e passou outro…fretado, muito bién. Me dei esse luxo.
Quando eram 18h30 (horário que começa minha aula de artes) cheguei em Saint Berdô e o tróleibus para São Mateus estava absolutamente um caos. Tentei pegar uns 2 e não dava pra entrar. Parecia que a Arca de Noé desceu ali. Quando veio o próximo, eu, irritada, me enfiei lá dentro logo, e junto comigo uma desgraçada de uma mulher que ficava xingando o filho dela de idiota, troxa e coisas do gênero a cada 5 minutos. Quando me dei conta, o ônibus parou no terminal Santo André Leste. Pensei: WTF?
Peguei o trololó errado, Brasil!!!!!!!!!

2 Responses to “Na companhia da Zica”

  1. Lucas June 10, 2010 at 2:18 PM #

    Mulher, que vida corrida.
    Não se abale! Vamo lá !

  2. Allan June 11, 2010 at 9:46 AM #

    Ahahhahahahahaha, a vida ta te punindo cabeção, tudo isso ocorreu com vc, pq vc é ruim com as pessoas!!!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: